quinta-feira, 20 de novembro de 2008

Sayonara motherfucker - Deflação à Japonesa?

Mesmo tendo em consideração que os Bancos Centrais não têm tido grande reputação ultimamente, o nosso amigo Trichet está a arriscar em demasia pelo lado da prudência excessiva.


Ao cortar as taxas de forma tão tímida da última vez, no início de Novembro, parece que houve, por parte do BCE alguma relutância quanto a um ritmo ainda elevado de crescimento de preços.

Só que esta é a altura de ver um pouco mais para a frente do que é habitual.

Não se trata só de um questão relacionada com o (alegado) trade-off entre controlo da inflação e integração (ou não) do crescimento económico como variável da função-objectivo do BCE.

É que mesmo só olhando para a inflação, há nuvens escuríssimas que se aproximam no horizonte.

O nosso problema a curto e médio prazo, não é apenas o da crise financeira e económica. É o de uma deflação prolongada à la Japonaise.

E desta vez à escala mundial. Os nossos amiguinhos do oriente demoraram 13 anos (sim, 13) a sair de uma espiral deflacionista que os levou a um colapso bancário que lhes demorou 10 anos a resolver e que, entre outras coisas lhes atirou a Dívida Pública para níveis bem acima dos 100% do PIB (e olhem que o PIB Japonês não é coisa pequena). E tudo nasceu... de uma crise imobiliária!

O nosso ponto de comparação não é, ao contrário desses excelsos jornalistas de algibeira e outras velhas similares, a Grande Depressão americana de 1929 - que não tem nada a ver com a de hoje.

É antes a década horribilis Japonesa. É que eles acabaram de sair dela, e para lá estão a voltar.

E lembrem-se que isto ocorreu durante o período de crescimento económico mais espectacular à escala global!

Não sei se não estaria na hora de o BCE estar vigorosa e rapidamente a apontar baterias para uma política de taxas de juro zero , como parece estar a fazer o Fed. É que quando as taxas reais chegarem a negativas, será tarde demais.

Ao contrário do habitual, desta vez quase que rezo para não ter razão...

quinta-feira, 30 de outubro de 2008

A Dormir no Ponto

Um óptimo artigo que dá umas luzes sobre as origens da actual crise...

Greenspan Slept as Off-Balance-Sheet Toxic Debt Evaded Scrutiny
By Alan Katz and Ian Katz

Oct. 30 (Bloomberg) -- As George Miller welcomed 60 bankers to the chandeliered Charlotte City Club one evening in September, the focus was on more than the recent bankruptcy of Lehman Brothers Holdings Inc. From their 31st-floor perch, members of the American Securitization Forum, which Miller leads, fretted about the future of their $10.7 trillion industry.
The bankers were warned that a Financial Accounting Standards Board plan would force trillions of dollars back onto balance sheets, requiring cash reserves to soar. Their business of pooling and reselling assets had dropped 47 percent in the first six months of the year, and the industry couldn't afford another setback.
The next day, Miller, 39, the forum's executive director, took that message from North Carolina to a Senate hearing in Washington examining the buildup of off-balance-sheet assets. ``There are great risks to the financial markets and to the economy of moving forward quickly with bad rules,'' he said of FASB's proposal.
Miller was trying to preserve an accounting rule for off- the-books assets that helped U.S. banks export toxic debt around the world. It is a loophole that Jack Reed, the Rhode Island Democrat who chairs the Senate securities subcommittee, said had contributed ``to the severity of the current crisis.''
The damage to date: more than $680 billion dollars in losses and writedowns, about one-third of that by European banks.

Unregulated Derivatives

Efforts by lobbyists have delayed FASB decisions and kept key parts of the American financial system beyond the reach of regulators. Their victories included ensuring that over-the- counter derivatives stayed unregulated and persuading the Securities and Exchange Commission to let investment banks reduce capital requirements. That allowed them to increase borrowing and magnify profits. Bank watchdogs also didn't move to tighten mortgage-industry standards until after the collapse of the subprime market.
Today, a road snakes from the foreclosed homes of California and Ohio to the capital cities of Europe, where politicians and bankers have struggled to contain a widening credit crisis by pumping hundreds of billions of euros into the financial system. The road was paved with decisions like ones by FASB that allowed banks to keep shifting assets into blind spots outside the view of shareholders and industry overseers.

`Magic Trick'

``I've always regarded it as a bit of a magic trick,'' Pauline Wallace, a partner at PriceWaterhouseCoopers LLP and team leader in London for financial instruments, said of off-balance- sheet accounting. ``Magicians come to parties, and they make things seem to disappear. The risk is somewhere, but you never knew where.''
Pushed by taxpayers angry about financing a bailout of Wall Street while their retirement accounts wither, Congress is likely to shake up bank and securities regulation, giving the Federal Reserve more power.
``I wouldn't be surprised if the Fed ends up officially becoming our systemic-risk regulator,'' said Robert Litan, an economist at the Brookings Institution in Washington.
That's ironic to Donald Young, an investor advocate and FASB board member from 2005 until June 30. He testified at the same Senate hearing on Sept. 18 that both the Fed and the SEC joined the banks they oversaw in resisting proposals for more disclosure of off-the-books assets.
``There was an unending lobbying of FASB'' by companies and regulators, Young told the committee.

`Lack of Transparency'

The former FASB board member made a similar point in a June 26 letter to Senator Reed. ``We lacked the ability to overcome the lobbying efforts that effectively argued that if we made substantive changes we would hamper the credit markets and hurt business,'' Young wrote. ``Our inaction did not hamper credit markets -- it helped to destroy them.''
The issue, Young said in an interview, was the ``lack of transparency'' that comes with off-the-books accounting.
``There is a perceived free lunch that they can take on risk and not reflect it, and make things look better than they are,'' he said. ``That encourages them to do it more and more.''
A spokesman for FASB, Neal McGarity, said in an e-mail that Young voted with the majority of the board in a January 2005 decision to expand the use of an off-balance-sheet vehicle.

UBS Writedowns

Regulators outside the U.S. didn't do a good job policing investments in subprime-mortgage assets either. Zurich-based UBS AG, hurt the most in Europe with writedowns and losses totaling $44 billion, told the Swiss Federal Banking Commission early last year that it was ``fully hedged, yes, even overhedged,'' director Daniel Zuberbuehler said at a press conference in April.
``This answer subsequently proved to be wrong, because UBS did not correctly capture its actual risk exposure and seriously overestimated its hedges,'' Zuberbuehler said. The Swiss commission now says it will force the bank to hold more capital in reserve and is negotiating with UBS over new capital requirements.
An International Monetary Fund report in April described how the housing turmoil in the U.S. ``spread quickly to Europe, prompting bank rescues and capital injections.'' It said that as of March, European banks still had $173 billion in subprime mortgage-backed securities and collateralized debt obligations, about the same amount as U.S. banks.
The accounting standards board, housed in a corporate office park in Norwalk, Connecticut, an hour northeast of New York City, operates in an unusual position between the public and private sectors. It was set up in 1973 as an independent rulemaking group, though the SEC gets a say in who is named to the board and can override its rules.

FASB Rules

For the past decade, FASB has been wrestling with how to account for off-balance-sheet assets, which include the majority of securitized financial products. In a securitization, a company pools loans such as mortgages and credit card receivables, slices them into securities and sells them to investors, usually through a separate trust.
The process allows the originating company or bank to get cash up front, while investors are paid off with the consumers' monthly payments. The issuer can also record profit from the sale to the trust and take the loans off its balance sheet. That reduces the amount of capital required as a buffer against losses, letting the company increase lending and boost earnings.
Citigroup Inc. reported that it had $1.18 trillion in off- balance-sheet holdings as of June 30, including $828.3 billion in qualified special purpose entities, or QSPEs, a type of trust that is supposed to be beyond a lender's control.


Banks also created off-balance-sheet entities known as structured investment vehicles, or SIVs, that were marketed to outside investors. SIVs purchased many of the mortgage-backed notes issued by QSPEs, either directly or through other structures called collateralized debt obligations.
Securitization accelerated in the mid-1990s. The total amount of mortgage-backed securities issued almost tripled between 1996 and 2007, to $7.27 trillion, according to the Securities Industry and Financial Markets Association, or SIFMA.
Ten years ago, Wall Street was enjoying a bull market fed by a booming dot-com industry, a Fed chairman, Alan Greenspan, who trusted the market to correct its own ills, and a Congress amenable to lightening the touch of regulators.
In 1998, the imminent collapse of hedge fund Long-Term Capital Management forced the Fed to organize a bailout by Wall Street. Investment banks had loaned the fund billions and were among counterparties in more than $1 trillion in derivative contracts used to hedge investment risks.

Greenspan, Rubin

That same year Greenspan, Treasury Secretary Robert Rubin and SEC Chairman Arthur Levitt opposed an attempt by Brooksley Born, head of the Commodity Futures Trading Commission, to study regulating over-the-counter derivatives. In 2000, Congress passed a law keeping them unregulated.
Levitt said he went along with concerns by Greenspan and Rubin that Born's action might throw derivatives contracts into ``legal uncertainty.'' He said he now regrets that he didn't press a presidential advisory group ``to take a closer look'' at the issue. Rubin said in an interview that ``you could have had chaos'' if Born's plan found existing derivatives contracts invalid because they weren't traded on an exchange. Both Born and Greenspan declined to comment.
Outstanding credit-default swaps, derivative contracts used to hedge or speculate on a company's debt, would grow to $62 trillion from $631 billion in 2001. While the swaps spread risk, as intended, they also helped spread fear. Ninety percent of the trades were concentrated in the hands of 17 banks, according to the Federal Reserve Bank of New York. That left them exposed to losses if one failed, as Lehman Brothers did in September, and contributed to the unwillingness to lend to each other that's at the center of the recent credit squeeze.

3 Percent Rule

FASB had issued off-balance-sheet accounting standards in June 1996 to deal with the growth in securitizations. They were replaced in 2000 by FAS 140, which required more disclosures and rules for dealing with collateral.
Companies were allowed to push an entity off their books if an outside party put up as little as 3 percent of the capital. Houston-based Enron Corp. declared bankruptcy in late 2001 when it was forced to put trusts back on its balance sheet because it hadn't met the 3 percent rule.
The Enron scandal put pressure on FASB to make it harder for companies to keep assets hidden. In January 2003, it proposed a new rule, known as FIN 46, which increased the outside-party requirement to 10 percent.

`Bill of Goods'

Banks went on the offensive. The rule ``was developed in a rush,'' the American Bankers Association wrote in a letter to FASB that July. That same month Robert Traficanti, deputy controller of Citigroup, wrote that the proposed change would have a ``significant impact,'' forcing the lender to move the entities to the balance sheet and raise more capital.
In December 2003, FASB published FIN 46R, a revision that gave the banks more flexibility to keep off the books investment vehicles they managed for a fee.
Banks have lobbied on the issue since at least the early 1980s, said Timothy Lucas, who was at the FASB for more than two decades starting in 1979.
``I think we were sold a bill of goods'' by banks on some off-the-books structures, Lucas said.
In 2004, the SEC allowed the biggest securities firms -- Goldman Sachs Group Inc., Morgan Stanley, Merrill Lynch & Co., Lehman and Bear Stearns Cos. -- to set up a system giving the commission oversight of the investment banks' holding companies, rather than just their brokerage units, as had been the case.

Increased Leverage

With the change, approved in April that year, the Wall Street firms avoided having their operations in Europe regulated by the European Union. They were also able to reduce the amount of cash their broker-dealer units had to set aside as a cushion against unexpected losses by as much as 30 percent, Annette Nazareth, then head of the SEC's market-regulation staff, said in an interview. Nazareth, who later became an SEC commissioner, is now a partner at New York law firm Davis Polk & Wardwell.
That allowed the banks to increase their leverage, the ratio of borrowed funds to each dollar of equity capital held, and to invest even more heavily in subprime-related securities. Bear Stearns increased its leverage to 33.5-to-1 after the rule change from 26.4-to-1.
The continued delays and revisions of FASB's off-balance- sheet rules let financial institutions keep the scope of their assets from public view.
In May 2007, after the subprime mortgage crisis began to unfold, the accounting board proposed abolishing QSPEs altogether. It approved the move this April.

`Time Bombs'

Under FAS 140, entities are allowed to be kept off the books only if their activities are beyond the control of the sponsor. The problem, FASB Chairman Robert Herz said in a Sept. 18 speech in New York, was that the QSPE concept was ``stretched'' by the addition of subprime loans, which require ``active management and large-scale restructuring'' by the lender.
``We now know with hindsight that some of these entities, treated as Qs for accounting purposes, were effectively ticking time bombs,'' Herz said, referring to rising subprime defaults. ``And the bombs started to explode.''
Switching metaphors, he added: ``Unfortunately, it seems that some folks used Qs like a punch bowl to get off-balance- sheet treatment while spiking the punch. That has led us to conclude that now it's time to take away the punch bowl.''
In July, FASB decided to keep the bowl on the table a little longer, postponing by a year the effective date of the changes, to Nov. 15, 2009. The decision came after major banks, a member of Congress, Miller's securities association and other trade groups complained that the board was moving too fast and that the results would be confusing for investors.

`Intense Pressure'

FASB was ``under intense pressure from industry,'' Alan Blinder, a former Federal Reserve Board vice chairman and now a Princeton University professor, said in an interview.
``It's fair to say that the industry and the regulatory community alike failed to look through the off-balance-sheet entities with a skeptical eye and see the extent of what they might be on the hook for in a bad-case scenario,'' Blinder said.
That view is shared by Susan Bies, a Federal Reserve Board governor from 2001 to 2007.
``The No. 1 reason we're in this crisis is the deterioration of underwriting of mortgage loans,'' Bies said. ``What has made it worse is the lack of transparency in disclosures of the exact nature of assets both on and off the books. We need a clearer description of what potential exposures are out there.''
Miller said in an interview that the securitization industry got a bad rap from the Enron bankruptcy and that equating off- the-books entities with ``fraud or abuse'' is ``clearly an over- generalization.''

Greenspan Blasted

At hearings in Congress last week, financial experts and industry groups urged House and Senate committees to consider changes, including a regulator with overall authority to protect the system from risk. T. Timothy Ryan, SIFMA president, and Steve Bartlett, president of the Financial Services Roundtable, both supported the idea of a clearinghouse for credit-default swaps at an Oct. 21 House hearing. The clearinghouse would help ensure payment if counterparties failed to manage risk.
Two days later, Greenspan was blasted at another House hearing for failing to curb the growth of subprime-mortgage loans. He came out in favor of new rules requiring issuers of securitized assets to ``retain a meaningful part of the securities they issue.''
Barney Frank, chairman of the House Financial Services Committee, said in a speech in Boston on Oct. 27 that he is also in favor of rules ``to contain the excesses of this great innovation of securitization.''
Others took a more global view.
``We exported our toxic mortgages abroad,'' Joseph Stiglitz, a professor of economics at Columbia University and a Nobel Prize winner, said at the Oct. 21 House hearing. ``Had we not, the problems here at home would have been even worse.''

quarta-feira, 29 de outubro de 2008

Incompetente e Desonesto

Há muito tempo que não actualizo este blog. Ainda não vai ser hoje que o faço com material original. Mas como não resisti, vou pôr aqui uma cópia de um artigo do Pedro Braz Teixeira, economista, que vinha no Jornal de Negócios de 29 de Outubro.

Vai directamente ao âmago da questão... uma raridade, por estes (e outros) dias...

Um orçamento incompetente e desonesto


Uma das formas mais graves de incompetência é não perceber o que é prioritário e o que é secundário. A política económica em Portugal deve ter como objectivo final aumentar o potencial de crescimento da economia, que caiu de forma estrutural para níveis abaixo dos da UE, remetendo-nos para uma divergência estrutural, e remetendo-nos ainda para sermos ultrapassados por países que entraram depois de nós, ou seja, que estão há muito menos tempo a receber ajudas da UE.
É inacreditável que o Governo não perceba que este é, de longe, o mais importante e mais grave problema económico português. O Relatório do OE continua a ignorar a existência deste problema e, como o problema é ignorado, praticamente não há propostas para o resolver. Um dos traços mais evidentes deste problema é a falta de competitividade que tem levado a um elevadíssimo défice externo e uma dívida externa numa trajectória explosiva. O Governo não tem a desculpa de dizer que está a prestar mais atenção à gestão da crise conjuntural, porque, justamente esta, com a crise do crédito, veio exacerbar ainda mais o problema estrutural do endividamento externo. Pode haver maior incompetência do que um Governo não perceber qual é o mais grave problema económico português?
Quanto a desonestidade, os exemplos são inúmeros. Desde logo, o cenário macroeconómico delirante. O mundo está a viver uma crise gravíssima (que leva mesmo alguns a vaticinar o fim da economia de mercado) e a economia portuguesa (Ah! valente) desacelera apenas duas décimas! Depois, só nas despesas de pessoal tivemos duas desonestidades.
A primeira foi a introdução inconsistente de uma alteração metodológica. Se esta alteração fosse aplicada de forma consistente a 2009 e aos anos anteriores, nada haveria a objectar. A segunda desonestidade foi dizer que esta alteração tinha sido feita a pedido externo, o que o Eurostat prontamente desmentiu. Estas desonestidades foram rapidamente desmontadas, daí a pergunta: qual a lógica de incorrer na crítica da desonestidade sem qualquer benefício? Temos que concluir que se tratou de uma desonestidade incompetente.
Temos ainda a desonestidade de falar em consolidação orçamental quando os défices de 2008 e 2009 são obtidos com receitas extraordinárias, como se fossem recorrentes. A diferença entre receita total e receita fiscal e contributiva era suposto ser 6,3% do PIB em 2008, mas, afinal, vai ser 7,3%. E para 2009 espera-se que esta diferença suba para 8,5%. Se estas receitas permanecessem no nível do esperado para 2008 (6,3% do PIB), o verdadeiro défice de 2008 seria 3,2% do PIB e o de 2009 seria 4.4% do PIB. Ao verdadeiro défice de 2009 falta ainda adicionar mais duas parcelas: a desorçamentação (Estradas de Portugal, SCUT, etc, etc.) e o optimismo orçamental. Com o cenário mirabolante de manutenção do desemprego, as despesas sociais estão subestimadas. Já as receitas fiscais estão triplamente inflacionadas. Por um lado, o Governo está demasiado optimista em relação ao crescimento do PIB. Em segundo lugar, e contrariamente ao que já se passou em 2008, o Governo prevê que haja um aumento da eficiência fiscal. Em terceiro lugar, há um conjunto de benesses fiscais que o Governo apregoa, mas (diz o Governo) isso não tem impacto sobre a receita fiscal. Das duas uma, ou as benesses são inconsequentes, ou a receita está sobreavaliada. Em resumo, o verdadeiro défice de 2009 deverá estar acima dos 5% do PIB.
Na verdade, este é um orçamento de altíssimo risco, para ganhar as eleições. Se o Governo ganhar a aposta, depois das eleições inventa umas patranhas (em que são especialistas) para justificar por que é que o défice, afinal, esteve tão longe dos 2,2%. Se o Governo perder as eleições, o próximo Governo apanha com um défice de mais de 5% do PIB e vaise ver às aranhas para o domesticar.
Já repararam como esta jogada se parece com a dos banqueiros americanos? Fazem uma aposta muito arriscada; se correr bem, ganham milhões; mas se correr mal, a factura fica para os outros.

sexta-feira, 22 de agosto de 2008

O Soviete Português da Europa Ocidental

Está confirmado. Vivemos mesmo num soviete. Às vezes ainda tinha dúvidas. O Sr. Pinho a rosnar aos reguladores poderia eventualmente ter algum tipo de explicação Freudiana que me passava ao lado…

Mas não.

O Sr. formou-se mesmo na Faculdade de Economia de Ydiotarsky, na Sibéria Ocidental, ao lado da unidade agrícola Ystoehtudonossovsk.

Matou a Erse. Matou o regulador eléctrico.

Não é que não se soubesse já o que ele pretendia. Sim, ele, por o Engº Joseph Socratinsky não consegue nem sequer pronunciar ‘ERSE’ em inglês técnico…

E assim aprova-se o DL soviético 165/2008. (http://www.dre.pt/pdf1sdip/2008/08/16100/0585205854.PDF) É mais uma SCUT, mais um TGV, mais um aeroporto: ‘não aumentes agora, que alguém há-de pagar mais tarde’.

Fica portanto o tarifário eléctrico livremente e totalmente à mercê discricionária do camarada que ocupar o poleiro à altura, permitindo, em cada ano, ‘esbater’ um aumento de custo ‘excepcional’ (excepcional não é definido na lei, mas lá diz que é a ERSE que o define… mas quem manda na ERSE? O Camarada, claro está) ao longo de 15 anos.

E portanto, em nome da “estabilidade” tarifária, tunga lá de meter o bedelho directamente na tarifa! É como fazem os espanhóis? É sim senhor! É estúpido? É sim senhor! Eles têm tantas coisas boas para imitar, e nós…pimba! Tratamos de imitar as más…

O défice tarifário espanhol já vai em 15.000 milhões de Euros (13% do PIB português).

Alguém um dia ira pagá-lo.

Por tarifas futuras, por impostos, por dívida (que são impostos no futuro). Mas aí serão outros camaradas…

E mais uma vez o governosky faz, o contribuinsky acha que é fixe e pronto, daqui a uns anos falamos!

Como falaremos quando começarmos a pagar as concessões rodoviárias. Como falaremos quando começarmos a pagar as concessões do TGV ou quando for preciso assumir os passivos das empresas de transporte (cerca de 7% do PIB).

“Ah e tal… mas temos aqui um call center de alta tecnologia”… sim senhor, deslocalização de trabalho de Cabo Verde para Santo Tirso. Planos Tecnológicos!...

quarta-feira, 6 de agosto de 2008

A palhaçada do aeroporto do Porto.

O repto foi lançado. Que tal autonomizar o aeroporto do Porto concedendo ou vendendo-o a privados?
Em princípio a ideia é excelente – ou nem por isso! Cabe analisar.
Então o douto governo mandou analisar.
E quem analisou?
A ANA-Aeroportos de Portugal, S.A: O monopolista de estado detentor de toda a infraestrutura aeroportuária nacional!!!
Curiosamente – ou não – desse estudo resultou que a privatização iria levar a um aumento dos custos em 25%.
E seria de esperar outro resultado?
É que o estudo até pode estar excelente. Só que não credibilidade à partida.
Então é à entidade estatal que mais tem a perder com a referida autonomização que se encomenda o estudo?
É que, acho estranho que duas entidades - a Soares da Costa e a Sonae - tenham demonstrado interesse na concessão sabendo que i) o aeroporto do Porto só se desenvolverá com base num modelo de baixos custos (porque a sua conectividade é exactamente assegurada por Low Costs) e, consequentemente, ii) nunca o poderiam fazer através do aumento das tarifas.
Um dos argumentos apresentados (pelo menos a fazer fé no que dizem os jornais, o que é um grande pressuposto, eu sei) é que o Estado só receberia 800 milhões de euros ao longo de 25 anos e sem pagamento à cabeça… mas, com esta argumentação estapafúrdia sempre se perguntará:

  1. E os efeitos não financeiros? O TGV, por exemplo, alicerça a sua ‘rentabilidade’ sócio-económica inteiramente com base em benefícios não financeiros;
  2. E quanto vale hoje o aeroporto? Quais as suas contas e a sua capacidade de gerar cash-flow? Qual o seu valor actualizado? Como compara com 800 milhões de euros?
  3. Com que direito é que o Estado não toma uma decisão destas com base no facto de não ir receber dinheiro à cabeça? Mas então gora privatiza-se para financiar o défice como critério principal?

Mais uma vez, aquilo que podia ser uma proposta interessante, ou pelo menos digna de avaliar, cai no marasmo idiótico da política mesquinha dos governantes medíocres e idiotas que temos, alicerçados em estudos pouco credíveis.
É que neste caso, nem sequer foi uma consultora, que normalmente determinará um resultado a favor (ou pelo menos altamente enviesado – sei do que falo) do resultado. Foi a própria parte interessada que viu ser-lhe encomendado o estudo que a desmembraria!...


Palavras… para quê?

PS – Já agora, se alguém me conseguir arranjar esse estudozinho, agradeço…

sexta-feira, 20 de junho de 2008

Veículos eléctricos

Para quem não acredita que os veículos eléctricos (a 100%) são viáveis, consulte, com muito cuidado:


Comentários mais aprofundadfos, numa próxima oportunidade...

Ainda uma pequena amostra - já na Europa. Está em Francês:


Há muita coisa no Youtube.

Em 2010, estes Srs começarão a produzir um sedan de 5 portas.

sexta-feira, 6 de junho de 2008

Da gasolina e do jornalismo

Farto da histeria colectiva sobre a estória dos combustíveis, decidi enviar um mail (mal educado, admito) de protesto ao Sr. Camilo Lourenço, por atirar - injustificadamente - mais achas na fogueira.

Dizia então o o senhor, no JN:

"Um dos aspectos mais interessantes das reacções ao estudo da Autoridade da Concorrência (AdC) sobre o mercado de combustíveis foi a descrença que as suas conclusões causaram no cidadão comum (desde o mais humilde ao mais sofisticado). A mensagem é clara: embora o regulador não tenha encontrado indícios de cartelização e concertação de preços, os portugueses duvidam das gasolineiras. Não sabemos se as petrolíferas ficaram felizes com as conclusões da AdC. Embora se suspeite que sim, a avaliar pelo alívio que provocaram as declarações de Manuel Sebastião. É pena, porque não há coisa pior, para uma empresa, do que ter um cliente que acha que se estão a rir à sua custa. Veja-se o que se passou nas ultimas duas semanas. Com o petróleo a bater sucessivos recordes, "picando" os 135 dólares, os aumentos de preços foram contínuos. Mas quando o petróleo começou a descer (na última semana e meia o preço caiu de forma pronunciada, chegando a roçar os 122 dólares por barril), os preços ao consumidor só baixaram uma vez e de forma muito tímida Faz sentido? Não. Porque se foram as gasolineiras a instituir revisões semanais de preços, já deviam ter repercutido, a jusante, as descidas dos últimos dias. E por estas e por outras que temos de compreender a frustração dos consumidores e admitir a suspeita de que alguma coisa não vai bem no mecanismo de formação dos preços dos combustíveis. camilolourenco@gmail.com Um dos aspectos mais interessantes das reacções ao estudo da Autoridade da Concorrência (AdC) sobre o mercado de combustíveis foi a descrença que as suas conclusões causaram no cidadão comum (desde o mais humilde ao mais sofisticado). A mensagem é clara: embora o regulador não tenha encontrado indícios de cartelização e concertação de preços, os portugueses duvidam das gasolineiras. Não sabemos se as petrolíferas ficaram felizes com as conclusões da AdC. Embora se suspeite que sim, a avaliar pelo alívio que provocaram as declarações de Manuel Sebastião. É pena, porque não há coisa pior, para uma empresa, do que ter um cliente que acha que se estão a rir à sua custa. Veja-se o que se passou nas ultimas duas semanas. Com o petróleo a bater sucessivos recordes, "picando" os 135 dólares, os aumentos de preços foram contínuos. Mas quando o petróleo começou a descer (na última semana e meia o preço caiu de forma pronunciada, chegando a roçar os 122 dólares por barril), os preços ao consumidor só baixaram uma vez e de forma muito tímida Faz sentido? Não. Porque se foram as gasolineiras a instituir revisões semanais de preços, já deviam ter repercutido, a jusante, as descidas dos últimos dias. E por estas e por outras que temos de compreender a frustração dos consumidores e admitir a suspeita de que alguma coisa não vai bem no mecanismo de formação dos preços dos combustíveis. camilolourenco@gmail.com "

Só que está errado. O relatório da AdC - se estiver correcto - diz que existe um lapso de tempo - um lag - entre o preço do Brent e o impacto dess preço à saída das bombas - qualquer coisa como 3 ou 4 semanas.

Ora o Sr. diz que os preços são revistos semanalmente e portanto já devia ter reflectido as descidas.

Só que o facto de rever semanalmente, não quer dizer que o lag não seja de 3 semanas. Ou seja, todas as semanas os preços são revistos em função dos preços do Brent de há 3 semanas atrás. Isto é, a frequência da revisão é semanal, mas a referência de cada revisão é de há 3 semanas.

E é isto que está na apresentação do relatório feita na AR.

E é isto que o Sr. não percebe.

Foi esta a troca de mails. O meu protesto, mal educado:

"Pois é, mas se V. Exa tivesse lido efectivamente o relatório, como era sua obrigação, teria visto que os aumentos da semana passada da gasolina e gasóleo não respeitam às últimas subidas. Veja a parte que fala sobre o lag temporal entre o preço do brent e o preço da gasolina na bomba... É que bastava ler a apresentação, é grande mas dá menos trabalho."

Ao que o dito Sr., rude mas merecidamente, respondeu:

"Pedro, eu li o relatório. Mas quem disse que os preços se acertam semanalmente, para fazer face à volatilidade da semana anterior, foi o digníssimo representante de uma petrolífera. Pessoalmente...Assim, antes de fazer acusações (como é sua obrigação), pergunte. Eu sei que dá mais trabalho...CL"

Ou seja, ou não compreendeu o relatório, ou não compreendeu o 'representante'. É que, tendo entendido o que entendeu, claramente não se preocupou em saber o porque da discrepância. E trucla! Toca a fazer a crónica fácil.

A minha resposta (sem resposta de volta):

"Caro Camilo,

Os preços acertam semanalmente, mas com um lag, tal como está no relatório (assumo, obviamente, que o relatório está correcto). Assim, e se a memória não me falha, falava-se num lag de 3-4 semanas. isto quer dizer que esta semana, acerta-se face ao Brent 3 semanas antes. Pra semana, acerta-se em função do Brent 3 semanas antes. Portanto, as subidas (semanais) da semana passada são fruto do que aconteceu ao Brent há 3 semanas. O facto de se acertar semanalmente, não invalida o lag, Por sua vez, isto quer dizer que as descidas desta semana (se a cotação USD/€ se mantivesse) serão reflectidas daqui a 3 semanas. O acerto é semanal, (frequência do acerto) mas o lag é de 3 semanas (referência do acerto). Uma coisa não invalida a outra, pelo que se mantém o meu comentário. Admito, talvez um pouco mais rude do que devia.

Será assim tão difícil ter algum jornalismo sério? Eu sei que é uma crónica e que, por definição, se trata de uma opinião. Também sei que a estupidez é livre (ou pelo menos, devia ser). Mas não seria exigível, aos arautos da opinião (mesmo que pobrezinhos e vazios) que num ambiente de histeria colectiva, tivessem um pouco mais de cuidado?...

Não é que alguém lhe ligue muito...

Não é que seja o único...

Mas que raio!

Para quem quiser:

http://www.concorrencia.pt/download/AudicaoParlamentar_3_06-2008_PPT.pdf (apresentação)

http://www.concorrencia.pt/download/AdC_Relatório_Petrolíferas__02-06-2008.pdf (relatório)

quinta-feira, 5 de junho de 2008

A minha próxima vida

"Na minha próxima vida quero vivê-la de trás para a frente. Começar morto para despachar logo esse assunto. Depois acordar num lar de idosos e sentir-me melhor a cada dia que passa. Ser expulso porque estou demasiado saudável, ir receber a pensão e começar a trabalhar, receber logo um relógio de ouro no primeiro dia. Trabalhar 40 anos até ser novo o suficiente para gozar a reforma. Divertir-me, embebedar-me e ser de uma forma geral promíscuo, e depois estar pronto para o liceu. Em seguida a primária, fica-se criança e brinca-se. Não temos responsabilidades e ficamos um bébé até nascermos. Por fim, passamos 9 meses a flutuar num spa de luxo com aquecimento central, serviço de quartos à descrição e um quarto maior de dia para dia e depois Voila! Acaba como um orgasmo! I rest my case. "

Woody Allen

sexta-feira, 2 de maio de 2008

Ana Kimbundo foi para Angola

Ana Kimbundo foi para Angola. Levou família. Marido e filha.

Tenho saudades de Ana. Maldita terra esta que se tem de emigrar para sobreviver.

E já não se emigra para o norte, mas sim para sul… muito para sul.

É o novo Kondlike. É a corrida ao ouro negro e às oportunidades de um país que cresce 25% ao ano.

Mas Kimbundo não vai passar uma temporada.

Vai passar uma vida.

Porque não pode ficar. Por não tem como ficar.

Kimbundo muda de mundo. Ana muda de vida. É um dos actos mais corajosos que já vi. Casal de gente formada, com experiência profissional e de vida. Com muito para dar.

Tenho saudades de Kimbundo – dos almoços, das aflições, do carinho e da ajuda. Sim, da má disposição e das noites mal dormidas - do excesso de trabalho, dos patrões malucos e inconsequentes, da ignorância e da má fé.

Todos os dias penso nela. E em C. e B.

Muito em B.

Tenho saudades de Ana.

terça-feira, 15 de abril de 2008

Portugal, país dos sovietes

Foi com a descida do IVA que tive confirmação daquilo que suspeitava há muito: Portugal é o novo país dos sovietes.

Já não bastara a diatribe do IVA para os ginásios - obra-prima da política económica e fiscal, píncaro de uma estrtégia pensada e coerente para o desenvolvimento - vem agora o (des)governo EXIGIR e CONTROLAR que os produtores reflictam a baixa de 1% do IVA nos preços ao consumidor.

E como se não bastassem as idióticas declarações públicas (particularmente do idiótico Sr. Pinho), mobilizaram-se os recursos públicos - de institutos que deveriam ter mais o que fazer - para verificar que tal desiderato seria cumprido.

Ora, pouco mais falta para uma onda de fixação de preços à la PREC.

E que como se não bastasse o Sr. Pinho dizer "mata", veio o Sr. Portas dizer "esfola". Mas esse já se sabe, se não está numa feira, está a pensar nela.

Fica aqui lançado um tema, para desenvolvimentos futuros, à medida das disponibilidades...